Pesquisar este blog

domingo, 9 de maio de 2010

E nesse dia das mães, parabéns ao pai...

Eu sei que hoje é dia das mães, meu primeiro dia das mães. 

Não sou muito apegada à datas, confesso. Dia das mães é todo dia, é toda noite e toda hora. Afinal acredito plenamente que a maternidade é algo que se constrói diariamente, nos erros e nos acertos, no choro e no sorriso, no cansaço e na disposição. Mas sempre com muito amor. 

Nesse fim de semana, embalada pela alegria do meu primeiro dia das mães com a Alice aqui do lado de fora, li uma notícia que me emocionou demais. Admirei profundamente a coragem desse pai, que mesmo num momento de tragédia pessoal encontra forças para quebrar paradigmas e dar um dos mais lindos exemplos que já vi. 
Me senti pequena diante disso tudo porque muitas vezes achei que talvez não aguentasse as complicações e dificuldades próprias da maternidade (ainda mais de primeira viagem) e de repente vejo essa lição de amor e doação estampada nas páginas de um jornal que por acaso eu abri na casa da minha sogra.
Só posso desejar muita força e coragem, do fundo do meu coração,  para essse pai que agora é também uma MÃE, no sentido mais amplo da palavra.

Segue a matéria, publicada no jornal Zero Hora de 08.05.10:


"O comovente exemplo de um pai no Dia das Mães

Após perder a mulher no parto, funcionário público participa de Roda de Amamentação com a filha

Em uma homenagem ao Dia das Mães, foi o zelo de um pai com a filha recém-nascida que comoveu as participantes. 
O funcionário público João Carlos Pocharschi, 50 anos, ingressou em um universo feminino e participou ontem da Roda de Amamentação do Hospital Conceição, em Porto Alegre. É um esforço para garantir alimentação saudável à menina mesmo após perder a mulher.

A má notícia chegou em uma sexta-feira de abril deste ano. No dia 16, a mulher, Sirlei Francisca Machado, 43 anos, não resistiu ao parto da filha. Foi uma surpresa para toda família. Os exames mostravam uma gravidez tranquila até o sétimo mês, quando houve uma alteração. Ela sofreu uma eclampsia, uma doença perversa, que se caracteriza pela hipertensão e leva a gestante ao coma ou a ter convulsões.

Mas Pocharschi nem teve tempo de chorar a morte da pessoa com quem havia convivido nos últimos oito anos. Precisava se manter forte para superar o desafio que viria pela frente: cuidar da filha que acabara de nascer sem ter a mulher do lado. Para superar a batalha, buscar força nos céus.

– Foi terrível o que aconteceu. Mas Deus nos dá a força necessária, nos fortalece para enfrentar essa situação – afirma.

Batizada pelo pai com o mesmo nome da mãe, a menina Sirlei deixou os familiares apreensivos nas semanas seguintes. Sem peso suficiente, precisou ficar em uma incubadora. Nesta semana, mostrou vitalidade e já atingiu 2,5 quilos.

O vigor da filha animou Pocharschi a não desistir. Ontem, ele procurou a Roda de Amamentação. Ali, ofereceu o leite à menina por meio de uma mamadeira.

O cuidado do pai recebeu o apoio de todos os pediatras e especialistas. Nos primeiros meses de vida, não há melhor alimento. A coordenadora do Grupo de Incentivo ao Aleitamento Materno Exclusivo, Maria Lourdes Tagliapietra, explica que ele é essencial para o desenvolvimento do bebê.

– O leite materno é o melhor leite. Ele é exclusivo. Muitas mães acham que é difícil amamentar, e é. Mas ele é o melhor para os filhos – afirmou.

Mas não é só na preocupação com a alimentação de Sirlei que se percebe o zelo de Pocharschi. Na Roda de Amamentação, carregava a filha enrolada em um pano junto ao peito e a enchia de carinhos. É uma tentativa para compensar a ausência da mãe, um esforço que tem sido duro, ele admite:

– É um pouco difícil essa tarefa porque a minha mulher não está aqui. Por outro lado, essa menina é tudo. Tenho feito frequentemente esse contato. Abro a roupinha, coloco uma fralda no peito e a aproximo de mim. E ela fica ali, sentindo o calor que é importante para ela, pois imagina que ainda está dentro do útero.

O leite materno acelera a recuperação de Sirlei. A previsão é de que ela tenha alta hoje do hospital. Com a necessidade de voltar ao trabalho, em Cachoeirinha, na segunda-feira para garantir o sustento à filha, ele contará com a ajuda de uma vizinha, com quem a mulher compartilhava cada passo da gravidez. Mas, depois do abalo que passou em abril, não tem coragem para planejar os próximos meses.

– Nesses últimos dias, aprendi que a gente tem de viver o dia a dia. É preciso deixar as coisas acontecerem – diz."




*foto:Tadeu Vilani, extraída do site do jornal Zero Hora.

9 comentários:

Ju disse...

nossa , que emocionante !!!
Oi , xa me apresentar , eu sou Ju , mãe da Lulu , que não dorme. www.lulunaodorme.blogspot.com
se quiser,passa lá.É o meu primeiro dia das mães tb. Parabéns pra nós e pra esse pai exemplo aí !
beijos

Beta disse...

Oi Ju!
Já estou lá te visitando!
Parabéns para nós e para esse pai que é um exemplo de vida né?
Bjo

Tatiana Bonotto Cake Designer disse...

Estou a cada dia mais apaxonada pelo blogs q venho visitado para divulga o meu...e percebi q estou perdendo tempo de não ter feito um para meu filho....
em breve estarei compatilhando os meus momentos.


Adorei..seu blog...estou navegando pra divulgar meu blog.

Visite meu blog e se gostar vai ser um prazer ter sua companhia.

bjs

www.tatidesignercake.blogspot.com

Viajando com Pimpolhos disse...

Lindo depoimento! E mais bacana ainda vc dividi-lo conosco nesse Dia das Mães!

amaesoueu disse...

Nossa Beta, que reportagem mais linda!!!!!

Parabéns para nós!! Maio atrasadinho, mas valendo a intenção.

BJs, Gabi

Danizinha disse...

Eu tb li essa reportagem no sábado e me emocionei muitoooo... deve ser muito triste e difícil para esse pai, não desejo isso p ninguém. Muito legal lembrar aqui no teu blog Beta.
bjao

* Mamãe Baunilha * disse...

Lindo demais, Beta!
É de se chorar.
Esse pai compensando toda a ausência da mãe, participando da roda da amamentação, acolhendo o bb no peito quentinho para fazê-la lembrar do útero. LINDO DEMAIS.

Obrigada por compartilhar.

Beijos!!

Micheli disse...

Que lindo e emocionante!
Um bj.

Beta disse...

Bah gurias, emocionante mesmo...de encher os olhos de lágrimas.
Torço muito por eles, pai, filha e casal de vizinhos amigos que vão ajudar a cuidar da bebê.